GALO É GALO


13/04/2014


CLÁSSICO TERMINA NOVAMENTE SEM GOLS E cRUZEIRO É CAMPEÃO

Cruzeiro x Atlético-MG (Foto: Gil Leonardi/LANCE!Press)

Guilherme tenta passar em vão pela marcação do Cruzeiro (Foto: Gil Leonardi/LANCE!Press)

O Cruzeiro é o campeão Mineiro! Após o empate sem gols na partida de ida, no Independência, a equipe celeste recebeu o Atlético no  Mineirão e empatou novamente em 0 a 0, pela terceira vez na temporada. A melhor campanha na primeira fase do Estadual, no entanto, deu a vantagem dos dois empates ao time estrelado, agora campeão pela 37ª vez. 

A partida mal começou e Lucas Silva mostrou que o Cruzeiro não jogaria apenas para administrar a vantagem. No primeiro minutos, o volante soltou uma bomba de fora da área e carimbou o travessão de Victor, levantando a torcida Azul no Mineirão. Aos 11 minutos, a primeira e única grande chance do Atlético na etapa incial. Alex Silva tabelou com R10 e cruzou rasteiro para o meio. Samudio salvou afastando o perigo na pequena área.

Após o início eletrizante, a partida deu uma acalmada. Marcando sob pressão, o Cruzeiro apresentou maior controle de jogo, tocando melhor a bola e chegando ao gol com mais frequência. Em dois momentos de distração atleticana, o Cruzeiro quase abriu o placar. Éverton Ribeiro e Júlio Batista perderam duas oportunidades seguidas que resultaram da falta de atenção dos jogadores alvinegros. O camisa 17, inclusive, cresceu no decorrer da partida, se soltando mais em campo, contribuindo mais com a criação das jogadas e maior volume de jogo da equipe estrelada.

Mais cauteloso e perdendo totalmente as disputas no meio campo, o Atlético pouco fez. A forte pegada do Cruzeiro, somada à pouca vontade do sistema ofensivo atleticano, contribuiu para que o time alvinegro pouco conseguisse fazer nos primeiros 45 minutos. A utilização de Guilherme e Ronaldinho Gaúcho no meio facilitou para o Atlético perder parte da pegada.


JOGO SEGUE SEM GOLS E RAPOSA LEVANTA A TAÇA


Precisando de um gol, preencher mais espaços em campo e ao mesmo tempo não se descuidar da marcação, o Atlético voltou mudado, com Fernandinho no lugar de Guilherme. O Cruzeiro voltou novamente em cima, pressionando o rival em busca do primeiro gol. Trabalhando melhor a bola, o clube celeste seguiu sem se omitir em campo, e levou perigo ao gol de Victor em finalização mal feita de Goulart na entrada da área.

Com 20 minutos da etapa final, o Atlético passou a se lançar mais ao ataque, principalmente com as descidas de Fernandinho pelo lado esquerdo, incomodando mais o goleiro Fábio. A postura, no entanto, ofereceu espaços para o Cruzeiro contra atacar e levar perigo. Ciente de seus volantes amarelados, Autuori sacou Pierre para a entrada de Claudinei, além de apostar na velocidade de Neto Berola. No Cruzeiro, Marcelo Oliveira preferiu reforçar a marcação com Souza no lugar de Dagoberto.

Os 15 minutos finais de jogo passaram com um Cruzeiro bem mais incisivo em campo, chegando com mais qualidade e frequência ao gol de Victor. Defensivamente, o Atlético se comportou muito bem, mas ficou devendo nas ações ofensivas. Ao fim do jogo, os jogadores do Galo reclamaram de um pênalti em Jô, marcado pelo juiz, mas invalidado pelo bandeira, que marcou impedimento. Sem tempo para mais nada, os mais de 40 mil torcedores no Mineirão comemoraram o empate que valeu a taça de campeão mineiro ao Cruzeiro.


CRUZEIRO 0x0 ATLÉTICO

Local: Mineirão, em Belo Horizonte (MG)

Data-hora: 13/4/2014 – às 16h

Árbitro: Leandro Pedro Vuaden (RS)

Assistentes: Fábio Pereira (TO) e Alessandro Rocha de Matos (BA)

Cartões amarelos: Samúdio, Dagoberto, Éverton Ribeiro (CRU), Leandro Donizete, Michel, Pierre, Neto Berola (CAM)  

Cartão vermelho: Não teve.  

Público/Renda: 48.818 pagantes / R$ 2.322.88,00 

 

CRUZEIRO: Fábio; Ceará, Bruno Rodrigo, Dedé e Samudio; Henrique, Lucas Silva, Éverton Ribeiro (Tinga - 44'/2ºT) e Ricardo Goulart (Willian - 36'/2ºT); Dagoberto (Souza - 29'/2ºT) e Júlio Baptista. Técnico: Marcelo Oliveira.


ATLÉTICO: Victor; Michel (Neto Berola - 27'/2ºT), Leonardo Silva, Otamendi e Alex Silva; Pierre (Claudinei - 27'/2ºT), Leandro Donizete, Ronaldinho e Guilherme (Fernandinho - Intervalo); Diego Tardelli e Jô. Técnico: Paulo Autuori.


KALIL ESBRAVEJA CONTRA BANDEIRA NO CLÁSSICO:'Gângster, vagabundo'

Alexandre Kalil (Foto: Bruno Cantini/ Atlético-MG)

Alexandre Kalil disparou contra o assistente do clássico (Foto: Bruno Cantini/ Atlético-MG)


Imediatamente após o fim do jogo que deu o título mineiro ao Cruzeiro, no Mineirão, o presidente do Atlético, Kalil não poupou críticas ao bandeira que marcou impedimento e anulou o pênalti que seria marcado pelo árbitro Leandro Vuaden.

Na ocasião, aos 43 minutos do segundo tempo, Jô foi lançado dentro da área por Neto Berola e caiu em campo. O árbitro chegou a assinalar o penal, mas preferiu seguir o bandeira, que assinalou impedimento.

- Gângster, ladrão filho da p... Trio de gângster, vagabundos - esbravejou o presidente contra o bandeira Fábio Pereira, do Tocantins.

- Escândalo, escárnio! Verginhoso, só estou fazendo meu papel de presidente. Por isso na Libertadores nós ganhamos, porque essa gangue não entrou em campo - completou.

 

Escrito por marguitte às 21h55
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

GALO E cruzeiro DECIDEM TÍTULO MINEIRO EM FINAL MARCA PELO EQUILÍBRIO

Jogadores do Galo comemoram no Horto (Foto: Bruno Cantini / Atlético-MG)

Jogadores do Galo querem comemorar novo título estadual (Foto: Bruno Cantini / Atlético)

Em raro momento na história do clássico mineiro, cruzeiro e Atlético entram em campo neste domingo, a partir das 16h, no Mineirão, sem que um deles seja apontado como grande favorito à conquista do C. Mineiro 2014. Classificados para as oitavas de final da Libertadores, os eternos rivais se igualam até mesmo na motivação.

Na avaliação fria dos números, o cruzeiro larga na frente por precisar de um empate para se sagrar campeão mineiro neste domingo, uma vez que o primeiro clássico, disputado no estádio Independência, não saiu do 0 a 0. O time celeste, por ter feito a melhor campanha da fase classificatória, tem a vantagem de jogar por dois resultados iguais.

Para se sagrar tricampeão, o Atlético terá de vencer o rival, que contará com o apoio de 90% da torcida no Mineirão (os outros 10% dos ingressos foram destinados aos atleticanos)

Os três clássicos disputados no novo Mineirão foram vencidos pelo Cruzeiro. Porém, o Atlético conquistou o título mineiro do ano passado atuando no estádio onde o rival manda seus jogos mesmo perdendo o jogo por 2 a 1. Como havia vencido a partida de ida por 3 a 0, no Independência, que virou a sua casa desde meados de 2012, o Galo foi campeão estadual pelo saldo de gols.

Nos outros dois clássicos no Mineirão, o cruzeiro saiu vitorioso de campo. Na reabertura do estádio, venceu o Atlético, por 2 a 1, em jogo válido pela fase classificatória do Mineiro. No Brasileirão, goleou por 4 a 1 o rival, que acabara de conquistar a Libertadores e entrou em campo sem a maior parte dos titulares.

Bastante motivados, os rivais farão um clássico marcado pelo equilíbrio. O Cruzeiro, além da vantagem de jogar pelo empate, defende a invencibilidade no Estadual, com 11 vitórias e três empates. O Atlético aposta na força do grupo, que teve sua base mantida para 2014.

REFORÇOS E DESFALQUES

 

Enquanto o técnico Marcelo Oliveira contará com força máxima para o clássico deste domingo, Paulo Autuori terá desfalques, mas conta com a volta de jogadores importantes. O lateral Marcos Rocha, que sofreu estiramento muscular na coxa direita, é a principal baixa do Atlético, que já não conta com Dátolo e Josué. Os dois permanecem em tratamento.

Os laterais Ceará e Samudio, que também não participaram da partida com os peruanos por motivos distintos, estão de volta à equipe.

Samudio, que retorna na vaga de Egídio, cumpriu suspensão diante do Real Garcilaso pela expulsão contra a Universidad de Chile. Ceará, que acusou cansaço muscular, foi apenas preservado e deve voltar no lugar do jovem Mayke.

CRUZEIRO X ATLÉTICO

 

Data: 13/4/2014 (domingo)
Local: Estádio Mineirão, em Belo Horizonte (MG)
Horário:16h  
Árbitro: Leandro Pedro Vuaden (FIFA/RS)
Assistentes: Fábio Pereira (FIFA/TO) e Alessandro Rocha de Matos (FIFA/BA)

 

Cruzeiro
Fábio; Ceará, Dedé, Bruno Rodrigo e Samudio; Henrique, Lucas Silva, Ricardo Goulart e Everton Ribeiro; Dagoberto e Júlio Baptista
Técnico: Marcelo Oliveira

 

 

ATLÉTICO
Victor; Michel, Leonardo Silva, Otamendi e Alex Silva; Pierre, Leandro Donizete, Guilherme e Ronaldinho Gaúcho; Diego Tardelli e Jô
Técnico: Paulo Autuori

 

GALO PODE SER TRI DO MINEIRO, FATO QUE NÃO ALCANÇA DESDE 1983


O Atlético pode igualar, neste domingo, uma marca que não alcança desde 1983. Um triunfo sobre o Cruzeiro, no Mineirão, daria à equipe o tricampeonato mineiro. Entre as décadas de 1970 e 1980, o Galo faturou seis títulos estaduais consecutivos.

A maior série de conquistas regionais do Alvinegro teve início em 1978 e se encerrou somente em 1983. A atual sequência começou em 2012, com o triunfo invicto e sob a batuta de Cuca. No ano seguinte, com o mesmo treinador no banco de reservas, a equipe voltou a faturar a competição.

Antes dos troféus seguidos em 1980, o Atlético obteve feitos semelhantes na década de 1950. Somente outras três equipes alcançaram a mesma marca: América-MG, Cruzeiro e Villa Nova. A Raposa detém as conquistas mais recentes: 1996, 1997 e 1998.

 

Confira os tricampeonatos do Galo:


1983 – Atlético venceu o Cruzeiro
1982 – Atlético venceu o Cruzeiro
1981 – Atlético venceu o Cruzeiro
1980 – Atlético venceu o Cruzeiro
1979 – Atlético venceu o Cruzeiro
1978 – Atlético venceu o Cruzeiro

1956 – Atlético e Cruzeiro foram campeões
1955 – Atlético venceu o Cruzeiro
1954 – Atlético venceu o Cruzeiro
1953 – Atlético venceu a Siderúrgica
1952 – Atlético venceu a Siderúrgica

Escrito por marguitte às 11h01
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

10/04/2014


GALO VENCE ZAMORA, TERMINA EM PRIMEIRO NO GRUPO E AGUARDA ADVERSÁRIO

Jô em ação contra o Zamora no Horto (Foto: Bruno Cantini / Atlético-MG)

Jô marcou o gol da vitória do Galo no Horto (Foto: Bruno Cantini / Atlético)


Com o gol único de Jô, ainda antes dos dez minutos da partida, o Atlético fez o dever de casa nesta quinta-feira, venceu seu terceiro jogo na Libertadores e terminou a primeira fase na liderança do Grupo 4, com 12 pontos. Sem nunca ter vencido uma só vez antes da atual edição, o Zamora começou a rodada em segundo lugar, mas perdeu o posto para o Nacional, que venceu o Santa Fé por 3 a 2 e se classificou junto com o Galo.

No restante da quinta-feira, os atleticanos acompanharão os últimos jogos do torneio apenas para ver quem vai encarar a força do Horto nas oitavas de final.


O JOGO


O Atlético apresentou uma postura bastante ofensiva desde o início do jogo, apesar de não ter chegado com perigo nos minutos iniciais. As descidas constantes de jogadores como Marcos Rocha, no entanto, oferecia espaços ao Zamora, que chegou por três vezes ao ataque em menos de cinco minutos. Apesar da forte pegada dos venezuelanos, contudo, foi o Galo quem aproveitou bem uma falha na saída de bola. Guilherme fez o papel de ladrão na intermediária central e serviu Jô. O artilheiro recebeu na entrada da área e de perna esquerda bateu no cantinho, rasteiro, no canto direito de Angulo. 1 a 0 Galo.

Confortável com a vantagem no marcador, o Atlético mostrou-se ainda mais inteligente em campo. Sem deixar de atacar, o atual campeão da América tocou a bola, valorizou o jogo e deixou que o adversário corresse atrás do prejuízo. Mesmo com o ritmo pouco menos acelerado, a equipe mineira permaneceu segura na partida, gerando dificuldades para os venezuelanos em chegar ao gol de Giovanni.

Passadas meia hora de jogo, Guilherme, em outro lançamento primoroso, deixou Neto Berola na cara do gol, que apesar da ótima condição, foi desarmado pelo zagueiro. Ainda antes do intervalo, Jô subiu sozinho dentro da pequena área, mas cabeceou por cima do gol, desperdiçando a chance de marcar o segundo. Em 45 minutos, o Zamora só assustou em dois chutes perigosos de fora da área.

O Atlético voltou sem Marcos Rocha para o segundo tempo de jogo. No final da etapa inicial, o lateral sentiu uma fisgada na coxa direita e caiu sozinho após uma disputa de bola. Sem nenhum lateral de origem no banco de reservas, o volante Claudinei foi escolhido por Autuori para entrar no jogo. Minutos mais tarde, outra alteração no Galo, desta vez previsível. Recuperado de uma lesão muscular, Fernandinho voltou ao time titular, recuperando a vaga antes ocupada por Neto Berola.

Necessitando do resultado, o Zamora foi pra cima na etapa final. Apesar do novo gás de Fernandinho e Marion, o Atlético permaneceu oferecendo terreno aos venezuelanos, que chegavam, mas não conseguiam incomodar o goleiro Giovanni. A situação dos visitantes piorou ainda mais após a expulsão de España, ao acertar o braço no rosto do capitão Léo Silva.

Com a vantagem numérica, o Atlético-MG passou a dominar melhor a partida. Guilherme voltou a servir bem os companheiros, assim como Marion deu mais mobilidade pelas pontas. Em uma dessas jogadas, Marion escapuliu pelo lado esquerdo e cruzou rasteiro para Jô, debaixo das traves, tocar por cima. Ao fim da partida, Fernandinho também perdeu outra ótima oportunidade em lance de contra ataque. Final de jogo, 1 a 0 Galo.



ATLÉTICO 1x0 ZAMORA


Local: Independência, em Belo Horizonte (MG)

Data-hora: 10/4/2014 – às 17h30

Árbitro: Roberto Tobar (Chile)

Assistentes: Francisco Mondria (CHI) e Raúl Orellana (CHI)


GOLS: Jô, 9'/1ºT (1-0)   

Cartões amarelos: Soto, Mello (ZAM)   

Cartão vermelho: Jonathan España (ZAM)   

Público/Renda: 15.031/R$764.420,00   


ATLÉTICO: Giovanni; Marcos Rocha (Claudinei - Intervalo), Leonardo Silva, Otamendi e Alex Silva; Pierre, Leandro Donizete, Neto Berola (Fernandinho - 9'/2ºT) e Guilherme; Diego Tardelli (Marion - 22'/2ºT) e Jô. Técnico: Paulo Autuori.

ZAMORA: Angulo; Hugo Soto (Zafra - 17'/2ºT), Javier López, Jonathan España, Luis Ovalle; Arles Flores (Arenas - 26'/2ºT), Mello, Ramírez e Murillo (Pierre Puchino - Intervalo); Clarke, e Falcón. Técnico: Noel Sanvicente.

 

Escrito por marguitte às 21h59
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

EM HORÁRIO INUSITADO, GALO RECEBE O ZAMORA PARA ASSEGURAR LIDERANÇA

Recuperado de estiramento muscular, Fernandinho volta ao time daqui a pouco contra o Zamora

 

 

A massa será um combustível a mais para empurrar o Galo contra o Zamora

Às 17h30 desta quinta-feira, o Atlético recebe o Zamora pela Copa Libertadores, afim de assegurar a primeira colocação do grupo 4 do torneio. Com a força do Horto, o Galo busca a vitória que o levará aos 12 pontos. Uma derrota inédita, no entanto, faz com que a equipe termine a fase de grupos na segunda colocação.

 

Ainda com o time indefinido, o técnico Paulo Autuori não terá nomes importantes para o jogo e faz mistério. Dentre as ausências, Ronaldinho Gaúcho é a principal delas. Por conta de um edema no pé direito, o craque sequer treinou durante a semana e corre contra o tempo para estar apto para o jogo decisivo do Campeonato Mineiro, no domingo.

 

Com 9 pontos somados no grupo 4, o Galo precisa de ao menos um empate diante de seu torcedor para ir às oitavas como primeiro colocado. Além da Massa atleticana que mais uma vez promete lotar o Horto, o setor ofensivo alvinegro ainda ganha outra reforço de peso para passar por cima dos venezuelanos. Fernandinho está de volta.

 

- Jogando em casa temos que impor nosso ritmo, um adversário que cresceu, nossa equipe tem tudo para vencer, estamos num ritmo melhor a cada jogo – falou o velocista, recém recuperado de um edema muscular na coxa, e ainda sem saber se vai começar o jogo como titular ou se entra no decorrer do jogo. Por conta da falta de ritmo de jogo de Fernandinho, Neto Berola pode começar entre os onze jogadores em campo.

 

Outro desfalque de Autuori será no gol. Victor voltou a acusar as mesmas dores no joelho que o deixaram de molho na semana passada e sequer foi relacionado. Embora o goleiro não corra risco de perder a final contra o Cruzeiro, o camisa 1 foi poupado diante da equipe venezuelana.

 

ZAMORA QUER FAZER AINDA MAIS HISTÓRIA

 

Sem nunca ter vencido uma partida na Libertadores antes da atual edição, o Zamora se prepara para o maior jogo da sua história, segundo seu treinador Noel Sanvicente.

- Nós vamos jogar a partida mais importante da história do clube – disse.

 

ATLÉTICO x ZAMORA


Local: Independência, em Belo Horizonte (MG)

Data-hora: 10/4/2014 – às 17h30

Árbitro: Roberto Tobar (Chile)

Assistentes: Francisco Mondria (CHI) e Raúl Orellana (CHI)

 

ATLÉTICO: Giovanni; Marcos Rocha, Leonardo Silva, Otamendi e Alex Silva; Pierre, Leandro Donizete, Fernandinho e Guilherme; Diego Tardelli e Jô. Técnico: Paulo Autuori.

 

ZAMORA-VEN: Angulo; Zafra, López, España e Ovalle; Torres, Flores, Ramírez e Clarke; Murillo e Falcón. Técnico: Noel Sanvicente.

 

Escrito por marguitte às 16h25
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

06/04/2014


GALO E CRUZEIRO-BH APENAS EMPATAM NO PRIMEIRO JOGO DA FINAL DO MINEIRO

Dede - Atletico MG x Cruzeiro (Foto: Gil Leonardi/ LANCE!Press)

Clássico no Independência foi bastante disputado (Foto: Gil Leonardi/ LANCE!Press)



A primeira partida da final do Campeonato Mineiro não deu indícios de quem será o campeão, como na edição anterior do torneio. Em um embate muito equilibrado e técnico, Atlético e Cruzeiro apenas empataram por 0 a 0 nesta domingo, no Estádio Independência.

A decisão será no próximo domingo, às 16h, no Mineirão. Caso o duelo termine empatado, a equipe azul sagra-se campeã, devido à vantagem obtida na primeira fase.

Em campo, sobrou transpiração. As duas equipes fizeram um jogo muito corrido e disputado no setor de meio de campo. Guilherme e Éverton Ribeiro, maestros de Galo e Raposa, respectivamente, pouco contribuíram nos 45 minutos iniciais. Não é à toa que os rivais tiveram poucas chances.

A principal oportunidade do mandante foi desperdiçada por Marion. O jovem atacante recebeu ótimo passe de Alex Silva, invadiu a área cruzeirense e tentou encobrir Fábio, mas finalizou fraco nas mãos do goleiro.

Os comandados de Marcelo Oliveira criaram uma oportunidade após tabela entre Júlio Baptista e Willian. O camisa 25 entrou na área adversária e chutou pelo lado direito da meta defendida por Victor.

As duas equipes forçaram também a ligação direta a todo instante. Os defensores de Atlético e Cruzeiro tentaram, diversas vezes, lançar os centroavantes Jô e Júlio Baptista em bolas aéreas. Eles, no entanto, tornaram-se presas fáceis para os marcadores.


CORRERIA E GOLS PERDIDOS

Diego Tardelli e Dedé Atlético-mG x Cruzeiro (Foto: Bruno Cantini / Flickr do Atlético-MG)

Tardelli perdeu um gol que poderia ser o da vitória atleticana


O início da etapa complementar foi semelhante à primeira. Muita correria e com poucas chances de gol. Diego Tardelli perdeu uma oportunidade claríssima de balançar a rede adversária. Pelo lado contrário, Ricardo Goulart desperdiçou uma ótima chance.

A mudança feita por Marcelo Oliveira, colocando Nilton na vaga de Ricardo Goulart, fez com que o Cruzeiro ganhasse o domínio do meio de campo. As chances da equipe, no entanto, foram escassas.

No Atlético, a saída de Marion, perdido em campo, para a entrada de Carlos foi preponderante para a melhora do time. Não é à toa que Fábio teve que fazer três boas intervenções. O empate sem gols, porém, foi o mais justo após os primeiros noventa minutos da decisão.


ATLÉTICO X CRUZEIRO


Local: Estádio Independência, em Belo Horizonte (MG)

Data-hora: 6/4/2014 – às 16h

Árbitro: Francisco Carlos do Nascimento (FIFA/AL)

Assistentes: Kleber Lucio Gil (FIFA/SC) e Cleriston Cley Barreto Rios (FIFA/SE)

Público / Renda: 22.342 / R$ 697.225,00

Cartões amarelos: Leonardo Silva, Marcos Rocha, Victor (CAM); Éverton Ribeiro, Marcelo Moreno (CRU)

Cartões vermelhos: -


ATLÉTICO: Victor; Marcos Rocha, Otamendi, Leonardo Silva e Dátolo; Pierre, Leandro Donizete, Diego Tardelli e Guilherme; Marion (Carlos – 21’/2ºT) e Jô. Técnico: Paulo Autuori.


CRUZEIRO: Fábio; Ceará (Mayke – 39’/2ºT), Bruno Rodrigo, Dedé e Samudio; Henrique, Lucas Silva, Éverton Ribeiro e Ricardo Goulart (Nilton – 21’/2ºT); Willian e Júlio Baptista (Marcelo Moreno – 21’/2ºT). Técnico: Marcelo Oliveira.

 

Escrito por marguitte às 20h55
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

COM APOIO DA MASSA GALO E RIVAL AZUL- MG INICIAM BRIGA PELO TÍTULO MINEIRO

A massa faz a diferença

Atlético e Cruzeiro iniciam logo mais o primeiro jogo da final do Campeonato Mineiro. Com pouco tempo de descanso após os jogos da Libertadores, no meio de semana, as duas equipes vão tentar superar o desgaste físico após as partidas e viagens para dar o primeiro passo rumo ao título mineiro de 2014, já considerado como um dos melhores em toda história do estadual.

Assim como no ano passado, o Atlético quer fazer valer o mando de campo e encaminhar o título já no jogo de ida, contanto com a força do Independência. Para isso, o time alvinegro terá um Horto totalmente em preto e branco, já que o Cruzeiro abriu mão dos 10% de ingressos destinados aos visitantes, a fim  de evitar problemas com entre seus próprios torcedores.

- A gente vai usar nosso mando de campo, fazer com que isso flua a nosso favor para que a gente possa vencer a partida, independente do placar. Clássico não tem como definir placar, mas a gente quer vencer – falou o zagueiro Leonardo Silva.

No lado celeste, o time de Marcelo Oliveira ganhou um gás extra após a vitória sobre a La U, na quinta-feira. Além de se manter vivo na Liberta, o clube elevou os ânimos nas alturas e ganhou confiança para iniciar a batalha contra o Atlético o campeão das Américas.

Os jogadores cruzeirenses ainda querem sentir o gostinho de ser campeão estadual e colocar um título mineiro no currículo. É o caso do volante Nilton e do zagueiro Dedé.

- É um dos meus objetivos. Não tenho nenhum estadual, vou tentar buscar esse Mineiro. Será um jogo muito difícil. Nunca ganhamos no campo deles. Vamos tentar fazer o nosso melhor, ser um time organizado, consciente do que está fazendo. Deu certo no último jogo. Temos de fazer isso para os próximos jogos – falou o Mito.

 

ATLÉTICO X CRUZEIRO


Local: Estádio Independência, em Belo Horizonte (MG)
Data-Hora: 06/04/2014, às 16h
Árbitro: Francisco Carlos do Nascimento (FIFA/AL)
Assistêntes: Kleber Lucio Gil (FIFA/SC) e Cleriston Cley Barreto Rios (FIFA/SE)

Atlético: Victor; Marcos Rocha, Leonardo Silva, Otamendi e Alex Silva; Pierre, Donizete, Ronaldinho e Guilherme; Tardelli e Jô. Técnico: Paulo Autuori.

 

Cruzeiro: Fábio; Ceará, Dedé, Bruno Rodrigo e Samudio; Henrique (Nilton) e Lucas Silva; Everton Ribeiro, Ricardo Goulart e Dagoberto; Júlio Baptista. Técnico: Marcelo Oliveira.

 

 ALEXANDRE KALIL ANUNCIA ANELKACOMO REFORÇO DO GALO

 

Anelka será muito útil ao melhor time das Américas

O Atlético anunciou, na madrugada deste domingo, a contratação de Nicolas Anelka, atacante francês com passagens por gigantes europeus, para a disputa da fase mata-mata da Libertadores.

Antigo companheiro de Ronaldinho Gaúcho no PSG, Anelka já possui 35 anos e estava sem clube desde o mês de março, após polêmica saída West Bromwich-ING. Por conta de não ter contrato com nenhum clube, o centroavante de Copa do Mundo poderá ser inscrito na Libertadores a partir das oitavas, mesmo com a janela de transferências internacionais fechada desde 1 de abril.

Anelka teve sua contratação confirmada pelo presidente alvinegro Alexandre Kalil, em seu Twitter, por volta das 2h.

- Anelka é do Galo - escreveu o mandatário, após desmentir negociações com o atleta veterano.

 


Escrito por marguitte às 11h16
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

04/04/2014


GALO EMPATA NA ALTITUDE, MAS VOLTA DE BOGOTÁ CLASSIFICADO

Guilherme fez o gol do Atlético na altitude ( Foto: Luis Acosta/AFP)

O Atlético precisava apenas um empate na noite desta quinta-feira para garantir a classificação para as oitavas de final da Libertadores. E foi exatamente o que conseguiu contra o Independiente Santa Fe, em Bogotá, capital da Colômbia. O 1 a 1 na na altitude faz o Galo se juntar ao Grêmio, outro brasileiro já na próxima fase da competição.

Os gols da partida foram marcados por Guilherme, aos sete minutos do primeiro tempo, e Cuera, aos 17 do segundo. Com o resultado, o Atlético chegou aos nove pontos, mas ainda pode perder o primeiro lugar do Grupo 4 justamente para o time colombiano, que tem oito, na última rodada.

O atual campeão da Libertadores enfrenta o Zamora, da Venezuela, no Independência, na próxima quinta-feira, às 17h30. No mesmo dia e horário, o Santa Fe visita o lanterna Nacional-PAR, que também tem chance de classificação no grupo embolado.

 

O JOGO

 

Mesmo com o gramado encharcado do Estádio El Campín, foi pelo chão que o Atlético balançou as redes logo aos sete minutos de jogo. Pierre cortou a ofensiva dos colombianos e a bola caiu nos pés de Guilherme. O meia tabelou com Jô e recebeu de volta na entrada da área antes de bater rasteiro de primeira, no canto esquerdo do goleiro e abrir o placar.

Após o gol, o Santa Fe passou a exercer maior pressão e respondeu pelas laterais fo campo, chegando a ameaçar o gol de Victor ao menos em duas oportunidades, deixando o jogo com ares mais complicados para os mineiros. O Atlético respondeu com outra boa jogada terrestre de Guilherme, ao deixar Jô na cara do gol e ver o companheiro parar apenas no goleiro Vargas.

Apesar do nervosismo e alguns excessos dos dois lados, o primeiro tempo foi marcado pela busca constante pelo gol. Enquanto o Atlético-MG explorou bem as movimentações no seu setor ofensivo, apesar de Tardelli e Ronaldinho um pouco apagados, o Santa Fe chegou com perigo principalmente em alguns momentos, forçando o goleiro Victor a executar boas intervenções.

 

Necessitando vencer para ainda poder sonhar com a classificação, o time da casa foi ao ataque nos 45 minutos finais. A constante ofensiva dos colombianos abriu espaços no campo para o contra-ataque alvinegro, mas o Atlético não aproveitou e continuou chamando os mandantes para seu campo de defesa. Aos 17 minutos, em vacilo da zaga atleticana, Mosquera cruzou pelou alto e Cuero subiu bem para empatar a partida.

 

Não satisfeito, o Santa Fe continuou em cima. Apesar de ter diminuído o ritmo, os anfitriões marcaram presente no campo de ataque, deixando o Galo praticamente sem chegar ao gol de Vargas. Ciente da necessidade de sair para o jogo em velocidade, Autuori promoveu a entrada de Neto Berola em campo. A medida pouco surtiu efeito, e o Atlético passou sufoco atrás de sufoco. O goleiro Victor passou a ser o nome do jogo, já que o setor ofensivo não funcionava mais, e evitou a virada e uma possível goleada.

 

Ao fim da partida, ainda deu tempo de um torcedor do Santa Fe invadir o campo e buscar um abraço de Ronaldinho Gaúcho. Placar final, 1 a 1 em Bogotá.

 

INDEPENDIENTE SANTA FE 1 x 1 ATLÉTICO

 

Local: El Campín, em Bogotá (Colômbia)

Data-Hora: 03/04/2014, às 23h (de Brasília)

Árbitro: Saúl Esteban Laverni (ARG)

Assistentes: Ernesto Uziga e Ezequiel Brailovsky (ARG)

Cartões amarelos: Mosquera (SFE), Alex Silva e Leonardo Silva (CAM) 

Cartão vermelho: - 

GOLS: Guilherme, 7'/1ºT (0-1); Cuero, 17'/2ºT (1-1)  

 

SANTA FE: Vargas; Anchico, De La Cuesta, Francisco Meza e Mosquera; Daniel Torres e Édison Méndez (Pacheco - 42'/2ºT); Cuero, Ferreira (Arias - Intervalo) e Copete; Sérgio Herrera (Medina - Intervalo). Técnico: Wilson Gutiérrez.

 

ATLÉTICO: Victor; Marcos Rocha, Leonardo Silva, Otamendi e Dátolo; Pierre, Leandro Donizete (Marion - 37'/2ºT) e Guilherme (Neto Berola - 29'/2ºT); Diego Tardelli (Alex Silva - 14'/2ºT), Jô e Ronaldinho Gaúcho. Técnico: Paulo Autuori.

 

 

 

Escrito por marguitte às 10h56
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

30/03/2014


MISTÃO DO GALO EMPATA COM O FRAQUÍSSIMO AMÉRICA-MG E SE GARANTE NA FINAL DO MINEIRO

América-MG x Atlético-MG - Neto Berola (Foto: Ramon Bitencourt/LANCE!Press)

Neto Berola fez o gol do Galo e comemora com a massa


O Galo ratificou a classificação para a decisão do Campeonato Mineiro ao empatar com o América-MG por 1 a 1, no Estádio Independência, neste domingo. O Galo, que venceu o primeiro jogo da semifinal por 4 a 1, saiu perdendo, após gol de Carlos Renato, e igualou o placar com Neto Berola.

O Alvinegro enfrentará o Cruzeiro na final do Estadual. O primeiro jogo da decisão será no próximo domingo, no Indepa. Posteriormente, as duas equipes se encontram no Mineirão.

Carlos Renato abriu o placar. Quatro minutos após o apito inicial, ele recebeu lançamento de Tchô e estufou a rede. Na jogada, porém, o atleta dominou a bola com o braço direito.

No decorrer da partida esse jogador pouco apareceu. O goleiro Victor tornou-se uma das estrelas do embate ao defender finalizações dos atacantes Obina e Ricardinho, evitando novos gols do visitante.

Perdidos em campo, sobretudo na meiúca, o Galo criou somente uma boa oportunidade. Jô tentou de letra, mas não encontrou o caminho da meta defendida por Mateus.

Mesmo que distante de uma possível classificação, o américa foi para o intervalo com a impressão de que poderia vencer. O pensamento foi alterado rapidamente. Aos dois minutos da etapa complementar, Carlos Renato voltou à cena e cometeu falta em Alex Silva.

Na cobrança, Guilherme deixou Neto Berola em boas condições de marcar. O atacante aproveitou a oportunidade para igualar o marcador.

Ainda que estivesse distante da classificação, o Coelho deixou de sonhar com o fato após a expulsão de Carlos Renato. O atleta, que recebeu amarelo no lance que originou o gol de empate, cometeu nova falta no lateral-direito e foi expulso.

Em vantagem numérica, o Atlético seguiu incomodando o adversário. Guilherme, Jô, Neto Berola, Marion, Dátolo e Carlos – substituto do autor do gol alvinegro – tiveram boas oportunidades de marcar, mas esbarraram na boa exibição de Mateus.

O América ainda teve outro problema. Aos 31 minutos  Obina acertou o jovem Alex Silva em disputa de bola e recebeu cartão vermelho.

Superior ao adversário durante todo o tempo final, o Galo foi ainda melhor após a expulsão do camisa 10 do Coelho. Apesar de todo o domínio, o Atlético só treinou, mantendo a igualdade no placar.

 


ATLÉTICO 1 X 1 AMÉRICA

 

Local: Independência, em Belo Horizonte (MG)
Data-hora: 30/3/2014 – às 18h30
Árbitro: Emérson de Almeida Ferreira (MG)
Assistentes: Pablo Almeida Costa (MG) e Marconi Helbert Vieira (MG)
Público/Renda: 12.102 pessoas / R$ 280.765,00

Cartões amarelos: Guilherme, Dátolo, Neto Berola, Ecarlos (CAM); Leandro Guerreiro, Obina, Andre Girotto, Carlos Renato (AMG)
Cartões vermelhos: Carlos Renato, Obina (AMG)

Cartões amarelos: Guilherme, Dátolo, Neto Berola, Ecarlos (CAM); Leandro Guerreiro, Obina, Andre Girotto, Carlos Renato (AMG)
Cartão vermelho: Carlos Renato, Obina (AMG)

Gols: Carlos Renato – 4’/1ºT (0-1); Neto Berola – 2’/2ºT (1-1)

 

 

ATLÉTICO: Victor; Alex Silva, Edcarlos, Otamendi e Dátolo; Claudinei, Leandro Donizete (Eduardo – 30’/2ºT), Guilherme, Marion e Neto Berola (Carlos – 20’/2ºT); Jô (André – 36’/2ºT). Técnico: Paulo Autuori.

 

 

AMÉRICA-MG: Mateus; Elsinho, César Lucena, Lula e Gilson; Leandro Guerreiro, Andrei Girotto (Diego – 44’/2ºT), Carlos Renato e Tchô (Cleiton – 35’/2ºT); Ricardinho (Elvis – Intervalo) e Obina. Técnico: Moacir Júnior.


PAULO AUTUORI CRÊ QUE GALO ‘TOMOU DECISÕES ERRADAS’ CONTRA AMÉRICA-MG

 América-MG x Atlético-MG - Oswaldo de Oliveira (Foto: Ramon Bitencourt/LANCE!Press)

Paulo Autuori destaca classificação do Galo (Foto: Ramon Bitencourt/LANCE!Press)


Apesar do empate com o América-MG, quando teve dois a mais em campo durante 15 minutos, Paulo Autuori deixou o Estádio Independência contente. O treinador crê que a equipe não alcançou um resultado positivo porque ‘tomou as decisões erradas’.

Autuori atribui a igualdade às tentativas dos atletas de atuar pelo meio-campo, enquanto deveriam forçar o jogo pelos flancos.

– Não é que não quisemos vencer. Tomamos as decisões erradas. Tentamos entrar por dentro. O adversário, com dois a menos, fechou o meio do campo. Tínhamos que entrar pelas laterais. Mas valeu pela classificação – avaliou.

Autuori ainda comparou as exibições da equipe nas etapas inicial e complementar. Segundo o treinador, o time foi mal no primeiro tempo, sobretudo em relação ao posicionamento no meio de campo.

– Erramos o posicionamento no meio de campo durante o primeiro tempo. Conseguimos recuperar isso no segundo tempo, tivemos o volume de jogo e a iniciativa. Chances foram criadas e poderíamos sair com uma vitória – comentou.

Embora demonstre felicidade com a classificação, o treinador esquece o jogo diante do América e foca a partida diante do Independiente Santa Fé, rival do Atlético nesta quinta-feira, às 20h45, pela Copa Libertadores.


– Foi um jogo muito difícil, como era esperado que acontecesse. Mas vamos focar o jogo contra o Independiente Santa Fé, na quinta-feira – concluiu.



Escrito por marguitte às 21h28
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

23/03/2014


GALO GOLEIA O FRACO TIME DO AMÉRICA E PRATICAMENTE ESPERA PELO RIVAL AZUL

Jogadores do Atlético-MG comemoram gol na vitória sobre o América-MG, pela semifinal do Mineiro

Jogadores do Galo comemoram gol na vitória sobre o fraquíssimo  América-MG, pela semifinal do Mineiro


Galo e América-MG realizaram na tarde deste domingo o primeiro jogo da semifinal do Campeonato Mineiro. Diante de um público pequeno no Horto, o 'ex-clássico' das multidões terminou com a vitória do Galo, que aumentou ainda mais a vantagem para o jogo da volta, também no Independência, no próximo domingo. Com três participações diretas, Neto Berola foi o grande destaque do jogo, vencido pelo Galo por 4 a 1.

O jogo começou antes mesmo do apito inicial. Por conta de dores no joelho esquerdo, Ronaldinho Gaúcho foi vetado pelo departamento médico atleticano e Guilherme foi escalado para compor o meio campo ofensivo do Galo.


GALO CONSTRÓI PLACAR NO PRIMEIORO TEMPO


Jogando de branco, o Atlético apresentou um ritmo bastante diferente daquele apresentado diate do Nacional, na última quarta-feira, pela Libertadores. A comprovação veio logo no primeiro minuto de jogo. Responsável pelas bolas paradas na ausência de Ronaldinho,Tardelli cobrou falta na intermediária direita, Dátolo fez o desvio e o argentino Otamendi balançou as redes após a bola bater na trave e passear sob a linha.

Mesmo imprimindo uma maior posse de bola, o Atlético esbarrava nas boas defesas do arqueiro do Coelho. Aos 20 minutos, em ótima triangulação de Tardelli, Marcos Rocha e Guilherme, o goleiro Matheus impediu com o pé o segundo gol atleticano, desviando para escanteio a finalização rasteira do meia. O goleiro americano ainda evitaria mais um gol do Galo em um chute perigoso de Dátolo e na cabeçada de dentro da área de Leonardo Silva.

Ainda antes do intervalo, no entanto, o Galo mataria a partida, contando com a boa participação de Neto Berola, até então se destacando mais pela marcação do adversário. Aos 36 minutos, o velocista passou por Elsinho e cruzou para Jô aumentar o marcador. Quatro minutos mais tarde, Berola sofreu pênalti do goleiro Matheus, bem cobrado por Guilherme, que marcou o terceiro gol do Galo.


GALO AUMENTA GOLEADA E  O FRACO AMÉRICA DIMINIU NO FINAL


Semelhante ao primeiro tempo, o Atlético mal esperou começar a nova etapa de jogo para ampliar o marcador. Aos dois minutos, Dátolo cruzou pela esquerda e Neto Berola, sem sair do chão, apareceu no meio da defesa para cabecear no canto de Matheus. 4 a 0. Bastante ovacionado, Berola deixaria o campo de jogo um pouco mais tarde, para a entrada de Marion.

Com o placar confortável, Paulo Autuori ainda promoveu a entrada de Alex Silva. A saída de Diego Tardelli permitiu que Dátolo fosse adiantado para o meio, posição original do jogador. Marcos Rocha e Leonardo Silva, pendurados antes da partida, também aproveitaram a folga no marcador para 'forçar' o terceiro cartão e chegarem à eventual final zerados.

Acomodado com a goleada, o Atlético deixou o América-MG crescer, e após algumas tentativas, o Coelho chegou ao gol de honra. Já no final da partida, Gilson cruzou da esquerda e Tchô subiu sozinho para marcar o único gol alviverde no Independência. Nada que atrapalhasse a boa partida atleticana e a ótima vantagem para o jogo da volta, na semana que vem.


ATLÉTICO 4 X 1 AMÉRICA-MG


Local: Independência, em Belo Horizonte (MG)

Data-Hora: 23/3/2014 - 16h

Árbitro: Cleisson Veloso Pereira

Auxiliares: Celso Luiz da Silva e Wesley Moreira de Carvalho


GOLS: Otamendi, 1'/1ºT (0-1); Jô, 35'/1ºT (0-2); Guilherme, 40'/1ºT (0-3); Neto Berola, 2'/2ºT (0-4)

Cartões amarelos: Willians, Ricardinho (AME), Marcos Rocha, Leonardo Silva (CAM).  

Cartão vermelho: Não houve.  

Público/Renda: 7.943 pagantes/R$285.365,00.

    

AMÉRICA-MG:

Matheus; Elsinho, Lula, Leandro Guerreiro e Gilson; Diego Henrique (Elvis - Intervalo), Andrei Girotto, Willians (Betinho - 31'/2ºT) e Tchô; Ricardinho e Obina (César Lucena - 15'/2ºT). Técnico: Moacir Junior.


ATLÉTICO:

Victor; Marcos Rocha, Leonardo Silva, Otamendi e Dátolo; Josué, Leandro Donizete (Claudinei - Intervalo); Diego Tardelli (Alex Silva - 23'/2ºT), Ronaldinho e Neto Berola (Marion - 11'/2ºT); Jô. Técnico: Paulo Autuori.


COMENTÁRIO:  O Atlético perde a chance de aplicar uma goleda histórica no fraquíssimo América que tinha caixa para mais de sete gols!

Esse timeco não merecia está no quadrangular Mineiro

 

Escrito por marguitte às 19h00
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

19/03/2014


RONALDINHO PERDE PÊNALTI E GALO SÓ EMPATA EM CASA CONTRA O NACIONAL

Ronaldinho Gaúcho - Atlético-MG x Nacional (Foto: Bruno Cantini)

R10 não evita empate do Galo no Horto (Foto: Bruno Cantini)


O Atlético não passou do empate em 1 a 1 com o Nacional (PAR) jogando no estádio Independência nesta quarta-feira. O time mineiro começou bem, teve pênalti desperdiçado por Ronaldinho Gaúcho, que se redimiu ao abriu o placar com outro pênalti em seguida. Mas após levar o empate e perder Fernandinho machucado no fim do primeiro tempo, o jogo desandou e o Galo só dependeu da vontade dos jogadores, que não foi suficiente. Com o placar, os mineiros foram a oito pontos e mantiveram a liderança do Grupo 4 da Copa Libertadores da América.

Ronaldinho Gaúcho - Atlético-MG x Nacional (Foto: Bruno Cantini)

Ronaldinho celebrou um gol contra o Nacional (PAR), mas desperdiçou pênalti (Foto: Bruno Cantini)

O JOGO


O Galo começou forte. Já no segundo minuto de jogo, Fernandinho chegou pela esquerda e cruzou para o atacante Jô, que chutou por cima do gol. Aos cinco minutos o Galo tomou um pequeno susto. Sem muitas chances de se aproximar da área atleticana, Bareiro arriscou chute do meio de campo.

O Atlético pressionava. Aos 12 minutos, Tardelli recebeu a bola, adiantou de cabeça e foi derrubado dentro da área pelo zagueiro Melgajero. O árbitro marcou o pênalti. Ronaldinho Gaúcho bateu no canto direito, mas o goleiro Don defendeu o chute.

Aos 18 minutos o juiz marcou outro pênalti após Melgajero colocar a mão na bola para defender falta cobrada por Ronaldinho Gaúcho. O capitão não se intimidou com o primeiro pênalti perdido bateu novamente, desta vez com sucesso. O goleiro Don acertou o canto de novo, mas a bola passou por baixo do seu corpo.

Com a vitória parcial por 1 a 0, o Atlético relaxou e começou a dar mais espaços para o Nacional. Aos 26 o goleiro Vitor foi corajoso e saltou nos pés de Benitez para tirar a bola do atacante que, após tabelar com Riveros, ficou de cara para o gol.

Aos 35 o Nacional tocou bola na frente da área do Galo até Melgarejo tentar jogada individual e ser derrubado. O volante Riveros cobrou com maestria no ângulo direito de Vitor, que nem foi para a bola.

Além do gol, o Galo perdeu o atacante Fernandinho, que sentiu dores na coxa após levar uma pancada e foi substituído por Neto Berola. Sem ele, o time se perdeu e não acertava a ligação entre o meio de campo e o ataque.

O Nacional gostou do jogo e no fim do primeiro tempo deu sufoco nos mineiros em dois lances perigosos pela direita.

Na volta para o segundo tempo o time mineiro continuou desorganizado e sem ligação entre o meio de campo e o ataque. O que faltava de criação sobrava de vontade. As chances saiam de bolas roubadas no ataque, principalmente com Diego Tardelli, que estava com a pontaria ruim.

Perto dos 20 minutos os técnicos mexeram nos times. Gustavo Morinigo tirou o atacante Benitez e reforçou a defesa do Nacional com Piris. Pelo Galo, Paulo Autuori trocou Josué por Leandro Donizete a fim de melhorar o passe no meio de campo.

A recuada do Nacional chamou o Galo para ataque. Neto Berola teve duas chances pela esquerda. Na primeira fez boa tabela com Ronaldinho e ficou de cara com o goleiro, mas isolou a bola por cima da trave de Dom. No outro lance conseguiu uma falta que foi tirada da área para rebote desperdiçado pelos mineiros.

O treinador Paulo Autuori arriscou e tirou volante Pierre para a entrada do atacante Guilherme. O Galo pressionou. Jô fez gol impedido, anulado corretamente pela arbitragem, o Galo tentou com as bolas cruzadas na área, mas não conseguiu a vitória.


ATLÉTICO X NACIONAL (PAR)


Local: Estádio Independência, em Belo Horizonte (MG)

Data-hora: 19/3/2014 – às 19h45

Árbitro: Omar Ponce (EQU)

Assistentes: Carlos Herrera (EQU) e Luis Vera (EQU)

Público e renda:  

Pagantes: 17.513

Renda: R$ 1.011.025,00

Cartões amarelos: Melgajero (NAC); Jô, Leonardo Silva (ATL)

Cartão vermelho: -

Gols: Ronaldinho 19'/1ºT (1-0); Riveros 36’/1ºT (1-1)


ATLÉTICO: Victor; Marcos Rocha, Leonardo Silva, Otamendi e Dátolo; Pierre (Guilherme – 37’/2ºT), Josué (Leandro Donizete – 21’/2ºT), Diego Tardelli e Ronaldinho; Fernandinho (Neto Berola – 36’/1ºT) e Jô. Técnico: Paulo Autuori.


NACIONAL (PAR): Don, Coronel, Balbuena, Cáceres e Mendoza; Riveros, Torales, Orue e Melgarejo (Martinez – 38’/2ºT); Benítez (Piris - 19’/2ºT) e Bareiro (Julio Santa Cruz 8’/2ºT)). Técnico: Gustavo Morinigo.


 

Escrito por marguitte às 22h37
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

RONALDINHO PERDE PÊNALTI E GALO SÓ EMPATA EM CASA CONTRA O NACIONAL

Ronaldinho Gaúcho - Atlético-MG x Nacional (Foto: Bruno Cantini)

R10 não evita empate do Galo no Horto (Foto: Bruno Cantini)


O Atlético não passou do empate em 1 a 1 com o Nacional (PAR) jogando no estádio Independência nesta quarta-feira. O time mineiro começou bem, teve pênalti desperdiçado por Ronaldinho Gaúcho, que se redimiu ao abriu o placar com outro pênalti em seguida. Mas após levar o empate e perder Fernandinho machucado no fim do primeiro tempo, o jogo desandou e o Galo só dependeu da vontade dos jogadores, que não foi suficiente. Com o placar, os mineiros foram a oito pontos e mantiveram a liderança do Grupo 4 da Copa Libertadores da América.

Ronaldinho Gaúcho - Atlético-MG x Nacional (Foto: Bruno Cantini)

Ronaldinho celebrou um gol contra o Nacional (PAR), mas desperdiçou pênalti (Foto: Bruno Cantini)

O JOGO


O Galo começou forte. Já no segundo minuto de jogo, Fernandinho chegou pela esquerda e cruzou para o atacante Jô, que chutou por cima do gol. Aos cinco minutos o Galo tomou um pequeno susto. Sem muitas chances de se aproximar da área atleticana, Bareiro arriscou chute do meio de campo.

O Atlético pressionava. Aos 12 minutos, Tardelli recebeu a bola, adiantou de cabeça e foi derrubado dentro da área pelo zagueiro Melgajero. O árbitro marcou o pênalti. Ronaldinho Gaúcho bateu no canto direito, mas o goleiro Don defendeu o chute.

Aos 18 minutos o juiz marcou outro pênalti após Melgajero colocar a mão na bola para defender falta cobrada por Ronaldinho Gaúcho. O capitão não se intimidou com o primeiro pênalti perdido bateu novamente, desta vez com sucesso. O goleiro Don acertou o canto de novo, mas a bola passou por baixo do seu corpo.

Com a vitória parcial por 1 a 0, o Atlético relaxou e começou a dar mais espaços para o Nacional. Aos 26 o goleiro Vitor foi corajoso e saltou nos pés de Benitez para tirar a bola do atacante que, após tabelar com Riveros, ficou de cara para o gol.

Aos 35 o Nacional tocou bola na frente da área do Galo até Melgarejo tentar jogada individual e ser derrubado. O volante Riveros cobrou com maestria no ângulo direito de Vitor, que nem foi para a bola.

Além do gol, o Galo perdeu o atacante Fernandinho, que sentiu dores na coxa após levar uma pancada e foi substituído por Neto Berola. Sem ele, o time se perdeu e não acertava a ligação entre o meio de campo e o ataque.

O Nacional gostou do jogo e no fim do primeiro tempo deu sufoco nos mineiros em dois lances perigosos pela direita.

Na volta para o segundo tempo o time mineiro continuou desorganizado e sem ligação entre o meio de campo e o ataque. O que faltava de criação sobrava de vontade. As chances saiam de bolas roubadas no ataque, principalmente com Diego Tardelli, que estava com a pontaria ruim.

Perto dos 20 minutos os técnicos mexeram nos times. Gustavo Morinigo tirou o atacante Benitez e reforçou a defesa do Nacional com Piris. Pelo Galo, Paulo Autuori trocou Josué por Leandro Donizete a fim de melhorar o passe no meio de campo.

A recuada do Nacional chamou o Galo para ataque. Neto Berola teve duas chances pela esquerda. Na primeira fez boa tabela com Ronaldinho e ficou de cara com o goleiro, mas isolou a bola por cima da trave de Dom. No outro lance conseguiu uma falta que foi tirada da área para rebote desperdiçado pelos mineiros.

O treinador Paulo Autuori arriscou e tirou volante Pierre para a entrada do atacante Guilherme. O Galo pressionou. Jô fez gol impedido, anulado corretamente pela arbitragem, o Galo tentou com as bolas cruzadas na área, mas não conseguiu a vitória.


ATLÉTICO X NACIONAL (PAR)


Local: Estádio Independência, em Belo Horizonte (MG)

Data-hora: 19/3/2014 – às 19h45

Árbitro: Omar Ponce (EQU)

Assistentes: Carlos Herrera (EQU) e Luis Vera (EQU)

Público e renda:  

Pagantes: 17.513

Renda: R$ 1.011.025,00

Cartões amarelos: Melgajero (NAC); Jô, Leonardo Silva (ATL)

Cartão vermelho: -

Gols: Ronaldinho 19'/1ºT (1-0); Riveros 36’/1ºT (1-1)


ATLÉTICO: Victor; Marcos Rocha, Leonardo Silva, Otamendi e Dátolo; Pierre (Guilherme – 37’/2ºT), Josué (Leandro Donizete – 21’/2ºT), Diego Tardelli e Ronaldinho; Fernandinho (Neto Berola – 36’/1ºT) e Jô. Técnico: Paulo Autuori.


NACIONAL (PAR): Don, Coronel, Balbuena, Cáceres e Mendoza; Riveros, Torales, Orue e Melgarejo (Martinez – 38’/2ºT); Benítez (Piris - 19’/2ºT) e Bareiro (Julio Santa Cruz 8’/2ºT)). Técnico: Gustavo Morinigo.


 

Escrito por marguitte às 22h37
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

RONALDINHO PERDE PÊNALTI E GALO SÓ EMPATA EM CASA CONTRA O NACIONAL

Ronaldinho Gaúcho - Atlético-MG x Nacional (Foto: Bruno Cantini)

R10 não evita empate do Galo no Horto (Foto: Bruno Cantini)


O Atlético não passou do empate em 1 a 1 com o Nacional (PAR) jogando no estádio Independência nesta quarta-feira. O time mineiro começou bem, teve pênalti desperdiçado por Ronaldinho Gaúcho, que se redimiu ao abriu o placar com outro pênalti em seguida. Mas após levar o empate e perder Fernandinho machucado no fim do primeiro tempo, o jogo desandou e o Galo só dependeu da vontade dos jogadores, que não foi suficiente. Com o placar, os mineiros foram a oito pontos e mantiveram a liderança do Grupo 4 da Copa Libertadores da América.

Ronaldinho Gaúcho - Atlético-MG x Nacional (Foto: Bruno Cantini)

Ronaldinho celebrou um gol contra o Nacional (PAR), mas desperdiçou pênalti (Foto: Bruno Cantini)

O JOGO


O Galo começou forte. Já no segundo minuto de jogo, Fernandinho chegou pela esquerda e cruzou para o atacante Jô, que chutou por cima do gol. Aos cinco minutos o Galo tomou um pequeno susto. Sem muitas chances de se aproximar da área atleticana, Bareiro arriscou chute do meio de campo.

O Atlético pressionava. Aos 12 minutos, Tardelli recebeu a bola, adiantou de cabeça e foi derrubado dentro da área pelo zagueiro Melgajero. O árbitro marcou o pênalti. Ronaldinho Gaúcho bateu no canto direito, mas o goleiro Don defendeu o chute.

Aos 18 minutos o juiz marcou outro pênalti após Melgajero colocar a mão na bola para defender falta cobrada por Ronaldinho Gaúcho. O capitão não se intimidou com o primeiro pênalti perdido bateu novamente, desta vez com sucesso. O goleiro Don acertou o canto de novo, mas a bola passou por baixo do seu corpo.

Com a vitória parcial por 1 a 0, o Atlético relaxou e começou a dar mais espaços para o Nacional. Aos 26 o goleiro Vitor foi corajoso e saltou nos pés de Benitez para tirar a bola do atacante que, após tabelar com Riveros, ficou de cara para o gol.

Aos 35 o Nacional tocou bola na frente da área do Galo até Melgarejo tentar jogada individual e ser derrubado. O volante Riveros cobrou com maestria no ângulo direito de Vitor, que nem foi para a bola.

Além do gol, o Galo perdeu o atacante Fernandinho, que sentiu dores na coxa após levar uma pancada e foi substituído por Neto Berola. Sem ele, o time se perdeu e não acertava a ligação entre o meio de campo e o ataque.

O Nacional gostou do jogo e no fim do primeiro tempo deu sufoco nos mineiros em dois lances perigosos pela direita.

Na volta para o segundo tempo o time mineiro continuou desorganizado e sem ligação entre o meio de campo e o ataque. O que faltava de criação sobrava de vontade. As chances saiam de bolas roubadas no ataque, principalmente com Diego Tardelli, que estava com a pontaria ruim.

Perto dos 20 minutos os técnicos mexeram nos times. Gustavo Morinigo tirou o atacante Benitez e reforçou a defesa do Nacional com Piris. Pelo Galo, Paulo Autuori trocou Josué por Leandro Donizete a fim de melhorar o passe no meio de campo.

A recuada do Nacional chamou o Galo para ataque. Neto Berola teve duas chances pela esquerda. Na primeira fez boa tabela com Ronaldinho e ficou de cara com o goleiro, mas isolou a bola por cima da trave de Dom. No outro lance conseguiu uma falta que foi tirada da área para rebote desperdiçado pelos mineiros.

O treinador Paulo Autuori arriscou e tirou volante Pierre para a entrada do atacante Guilherme. O Galo pressionou. Jô fez gol impedido, anulado corretamente pela arbitragem, o Galo tentou com as bolas cruzadas na área, mas não conseguiu a vitória.


ATLÉTICO X NACIONAL (PAR)


Local: Estádio Independência, em Belo Horizonte (MG)

Data-hora: 19/3/2014 – às 19h45

Árbitro: Omar Ponce (EQU)

Assistentes: Carlos Herrera (EQU) e Luis Vera (EQU)

Público e renda:  

Pagantes: 17.513

Renda: R$ 1.011.025,00

Cartões amarelos: Melgajero (NAC); Jô, Leonardo Silva (ATL)

Cartão vermelho: -

Gols: Ronaldinho 19'/1ºT (1-0); Riveros 36’/1ºT (1-1)


ATLÉTICO: Victor; Marcos Rocha, Leonardo Silva, Otamendi e Dátolo; Pierre (Guilherme – 37’/2ºT), Josué (Leandro Donizete – 21’/2ºT), Diego Tardelli e Ronaldinho; Fernandinho (Neto Berola – 36’/1ºT) e Jô. Técnico: Paulo Autuori.


NACIONAL (PAR): Don, Coronel, Balbuena, Cáceres e Mendoza; Riveros, Torales, Orue e Melgarejo (Martinez – 38’/2ºT); Benítez (Piris - 19’/2ºT) e Bareiro (Julio Santa Cruz 8’/2ºT)). Técnico: Gustavo Morinigo.


 

Escrito por marguitte às 22h37
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

GALO RECEBE NACIONAL NO HORTO E TENTA DISPARAR NO GRUPO 4 DA LIBERTA

 

Jô, que já marcou três gols na Libertadores, é uma das esperanças do Atlético contra o Nacional

Líder do grupo 4, com sete pontos, o Atlético pode se aproximar da classificação para as oitavas de final da Copa Libertadores nesta quarta-feira, às 19h45, no Estádio Independência. O Galo precisa vencer o Nacional (PAR) para chegar a 10 pontos e dar um passo importante rumo à fase seguinte do torneio.

O Alvinegro já foi definido por Paulo Autuori para a partida no Campo do Horto. O treinador não apresenta novidades em relação à equipe que enfrentou o adversário paraguaio na quarta passada.

No último compromisso da equipe, domingo, contra o Boa Esporte, pelo Campeonato Mineiro, o comandante poupou todos os atletas considerados titulares e colocou em campo somente os reservas.

Maior artilheiro do Galo no torneio continental, com dez gols em duas edições, Jô comentou avaliou o reencontro com a torcida.

– Nossa maior força dentro do Independência é a presença da torcida. Desde o primeiro segundo de jogo, eles nos empurram e motivam. Isso nos dá muita força. A gente quer fazer tudo certinho para a torcida sair feliz do estádio novamente – declarou o centroavante, que classifica o jogo como muito relevante:

– É um jogo de extrema importância para a gente, onde a gente pode garantir a classificação. A gente está sabendo jogar a Libertadores, por tudo o que a gente passou ano passado, tudo pode levar ao sucesso novamente.

 

NACIONAL (PAR)

O Nacional (PAR) volta a atuar nesta noite após o triunfo sobre o 12 de Octubre (PAR), pelo Torneio Apertura 2014, no Estádio Arsenio Erico, em Assunção. Dentre os prediletos de Gustavo Morinigo, o goleiro Ignacio Oscar Don e o zagueiro Fabián Balbuena estiveram entre os titulares.

Os volante Marcos Riveros e Derlis Orué e o meia-atacante Silvio Gabriel Torales entraram na segunda etapa do compromisso. O quinteto retorna à equipe principal nesta quarta-feira, diante do Atlético.

 

Carlos Melgarejo, autor de um dos gols do Nacional (PAR) no empate com o atual campeão da Copa Libertadores, comenta o novo encontro.

– Temos que entrar com tranquilidade e com muita fé para tentarmos ganhar a partida. Sabemos que o Atlético é um time muito forte dentro de casa. É um jogo que requer cuidado – declarou.

 

ATLÉTICO X NACIONAL (PAR)

 

Local: Estádio Independência, em Belo Horizonte (MG)

Data-hora: 19/3/2014 – às 19h45

Árbitro: Omar Ponce (EQU)

Assistentes: Carlos Herrera (EQU) e Luis Vera (EQU)

 

ATLÉTICO: Victor; Marcos Rocha, Leonardo Silva, Otamendi e Dátolo; Pierre, Josué, Diego Tardelli e Ronaldinho; Fernandinho e Jô. Técnico: Paulo Autuori.

 

NACIONAL (PAR): Don, Coronel, Balbuena, Cáceres e Mendoza; Riveros, Torales, Orue e Melgarejo; Benítez e Bareiro. Técnico: Gustavo Morinigo.

 

Escrito por marguitte às 18h39
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

16/03/2014


GALO GOLEIA O BOA POR 3 A A O COM SHOW DO JOVEM MARION

Gol do Marion - Atlético-MG x Boa Esporte (Foto: Ramon Bitencourt/ LANCE!Press)

Marion comemora um dos seus dois gols no jogo (Foto: Ramon Bitencourt/ LANCE!Press)


O time reserva do Galo fez uma boa partida neste domingo, no Independência. Com o garoto Marion fazendo a diferença, o Galo venceu por 3 a 0 o Boa Esporte, encerrando a primeira fase do Mineiro com 23 pontos e em segundo lugar. Marion fez dois gols e deu uma excelente assistência para Carlos fechar o placar.  Apesar da derrota, o Boa Esporte foi beneficiado pela derrota do Tupi para o Guarani ( 2 a 1) e terminou em quarto lugar, garantindo a vaga nas semifinais. O Atlético terá o América como rival nas semifinais. O Boa, que terminou em quarto e se sagrou campeão do interior, enfrentará o Cruzeiro.

O Atlético, com um esquema ofensivo e três homens na frente, começou buscando o jogo e conseguindo uma grande chance aos sete minutos, quando Neto Berola recebeu livre pela direita e tocou por cobertura, pegando Emerson adiantado. A bola bateu na trave. Na sobra, o goleiro se recuperou e evitou a conclusão do ataque do Galo, evitando gol certo. Só que o esforço foi demais para o goleirão do Boa, que teve de ser substituído pelo reserva Jonatas porque no choque com Marion ele sentiu a coxa direita.

O jogo atleticano era pela direita, com Berola e os avanços de Michel. Foram dias construções perigosas pelo setor, já que Marinho Donizete não tinha velocidade para vencer os rivais e a cobertura dos volantes estava falha tanto para os laterais, quanto para os zagueiros.

E foi um vacilo na meiúca, dos volantes do Boa, que saiu o primeiro gol atleticano. aos 23 minutos. Rosinei, descendo pelo meio, tocou para Marion que entrou na área pela esquerda e bateu rasteiro na saída de Jonatas, aos 23 minutos.

Os buracos na defesa permaneciam e aos 37 minutos, um lançamento da intermediária encontrou novamente Marion desmarcado, na cara de Jonatas. Ele apenas teve o trabalho de encobrir o desesperado Jonatas. Galo 2 a 0.

O Boa só foi assustar nos minutos finais, quando o Atlético diminuiu o ritmo e o time visitante só não marcou porque Giovanni fez uma excelente defesa à queima-roupa no último lance do primeiro tempo.

O Boa voltou para o intervalo com uma alteração (saiu o zagueiro Thiago Carvalho e entrou Wandinho). O  Galo voltou bem mais sonolento, deixando o rival equilibrar a partida e ter boas chances. Aos 12 minutos, Moisés Ribeiro chutou uma falta que raspou a trave de Giovanni. Aos 13, Alexandre invadiu pela esquerda e perdeu chance de ouro. Tinha mais: o time visitante passou a explorar chutes de fora da área. Duas vezes Marcel assustou o goleiro atleticano.

O Boa tinha maior volume. Mas o Galo tinha a garotada para decidir. Principalmente Marion. Aos 24, ele recebeu pela esquerda, viu Carlos livre na marca do pênalti e tocou para o companheiro fazer 3 a 0.

O Galo chegava bem. André deu uma puxada na bola, na ponta direita, e quase fez um golaço sem querer, com a bola batendo na trave.  Carlos quase fez seu segundo gol no jogo. No fim, a jogada mais relevante foi uma jogada na qual Wandinho entrou com o pé no alto, acertou a cabeça do lateral-esquerdo Alex Silva (que chegou a apagar, recobrou os sentidos e precisou sair de campo na maca) e foi expulso.

 

 Atlético-MG atropela o Boa (Foto: Ramon Bitencourt/ LANCE!Press)

Neto Berola conseguiu jogar os dois tempos!


ATLÉTICO 3 X 0 BOA

 

 

Estádio: Independência, Belo Horioznte (MG)
Data/hora: 16/3/2014 - 16h (de Brasília)
Árbitro: Wanderson Alves de Souza (CBF/FMF)
Auxiliares: Luiz Antônio Barbosa e  Breno Rodrigues (FMF)
Renda/Público: Não disponíveis
Cartões amarelos: Alexandre e Malaquias, Moisés Ribeiro (BOA); Rosinei, Alex Silva e Leandro Donizete (ATL)
Cartões vermelhos: Wandinho, 45' 2ºT

GOLS: Marion, 23' 1ºT (1-0); Marion, 37' 1ºT (2-0); Carlos, 24' 2ºT (3-0)

 

 

ATLÉTICO: Giovanni ; Michel, Jemerson, Edcarlos e Alex Silva; Rosinei (Claudinei - 18'/2º), Leandro Donizete (Eduardo, 32' 2ºT) e Marion (Dodô, 40' 2ºT); Neto Berola, Carlos e André. Técnico: Paulo Autuori

 

 

BOA ESPORTE:  Emerson (Jonatas - 11'/1º); Edmar, Thiago Carvalho (Wandinho - Intervalo), Neylor e Marinho Donizete; Matheus, Moisés, Felipinho e Malaquias (Francismar, 28' 2ºT); Alexandre e Moisés Ribeiro. Técnico: Nei da Matta

 




Escrito por marguitte às 20h39
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

13/03/2014


GALO DEIXA A VITÓRIA ESCAPAR NOS INSTANTES FINAIS DA PARTIDA

Galo deixa o Paraguai com empate contra o Nacional (Foto: Norberto Duarte/AFP)

O Atlético perdeu uma grande oportunidade para disparar no Grupo 4 da Libertadores. Na noite desta quarta, em Ciudad del Este, no Paraguai, empatou em 2 a 2 com o Nacional. O time vencia de virada até os 41 minutos da etapa final, quando cedeu um pênalti ao rival. Com o resultado, o Galo segue na liderança, com sete pontos, e ainda invicto. Os rivais, por sua vez, chegaram a quatro. Os dois times voltarão a se enfrentar na próxima rodada, no Independência. Josué e Jô marcaram os gols do time brasileiro, que teve em Ronaldinho o seu destaque. O meia participou dos dois gols e, pela primeira vez na temporada, atuou em grande nível.

O jogo começou em velocidade e bem aberto. Melgarejo, logo no início, em um chute de longa distância, assustou ao goleiro Victor. Aos seis minutos, após grande jogada, Fernandinho sofreu falta de Coronel próximo à área. O paraguaio levou o primeiro amarelo da partida e Ronaldinho, chutando rasteiro, por muito pouco não abriu o placar.

Aos oito, numa boa trama Bareiro lançou Melgarejo, que entrava livre na área, pela direita, e este tocou na saída de Victor, abrindo o placar para o Nacional.

O Atlético demorou para acordar. Até os 20 minutos, só assustou quando Fernandinho buscava os dribles diante do fechado Nacional. E o pior: o time paraguaio quase ampliou quando Torales, escorando um cruzamento da direita, cabeceou na trave do desesperado Victor.

A coisa estava complicada. Mas estava claro que o Nacional marcava com fragilidade quando Fernandinho partia para cima. E que em vez de cruzamentos, as jogadas individuais poderiam ser mais eficientes.

Não deu outra. Aos 21 minutos, Ronaldinho recebeu da direita, partiu para o drible e tocou para Josué, que invadia a área pela esquerda. O volante, como elemento surpresa, tirou a marcação e bateu para empatar a partida.

Pronto, o Galo se ajustou em campo e passou a fazer valer a sua melhor técnica. Sempre com Ronaldinho centralizando os lances. Aos 26 minutos, o craque observou a infiltração do lateral Dátolo pela ponta esquerda e lançou o gringo, que fez um carnaval até cruzar para Jô, em posição de impedimento, tocar para o gol, virando a partida.

O jogo ficou ainda melhor, pois o Nacional jamais deixou de buscar o gol enquanto o Galo também criava situações de perigo até o fim da excelente primeira etapa.

Após o intervalo os times, sem alterações e bem mais cadenciado. Mas eles permaneceram com a mesma estratégia. O Nacional buscando na velocidade, em dois ou três toques, encontrar alguém nos flancos para fazer cruzamentos; Atlético envolvendo na técnica, e fazendo triangulações para chegar na área. Só que as defesas não cediam espaços.

Com isso, o Galo só foi assustar aos 17 minutos em um lance de bola parada. Ronaldinho, pela esquerda, cobrou na cabeça de Leonardo Silva e o goleiro Don fez uma defesa milagrosa.

Depois, só aos 27 minutos ocorreu mais uma chance real, quando Fernandinho recebeu pela esquerda, entrou na área mas chutou mal, mesmo desmarcado.

A partir daí o Atlético tratou de cadenciar o jogo, que passou a ficar mais truncado, com algumas faltas violentas, até Ronaldinho deixou o pé e foi amarelado.

Aos 41, após cruzamento pela esquerda, a bola bateu na mão de Otamendi. Pênalti para o Nacional. Torales cobrou com força, no meio do gol, e empatou o jogo em 2 a 2.

 

NACIONAL-PAR 2 X 2 ATLÉTICO

 

Estádio: Antonio Aranda, Ciudad del Este (PAR)

Data/hora: 12/03/2014 - 22h (de Brasília)

Árbitro: Patrício Lostau (ARG)

Auxiliares: Iván Núñez e Ariel Scime (ARG)

Renda/Público: Não disponíveis

Cartões amarelos: Coronel, Valbuena, Cáceres, Melgarejo (NAC), Josué , Leandro Donizete, Ronaldinho, Otamendi (ATL)

Cartões vermelhos: -

GOLS: Melgarejo, 8' 1ºT (1-0); Josué, 21' 1ºT (1-1); Jô, 26'/1ºT (1-2) e Torales, de pênalti, 41' /2ºT (2-2)

 

NACIONAL (PAR): Don; Coronel, Balbuena, Cáceres e Mendoza; Riveros, Torales, Orue (Lusardi - 13'/2º) e Melgarejo (Julio Santa Cruz - 16'/2º); Benítez (Martinez - 42'/2º);e Bareiro. Técnico: Gustavo Morinigo

 

ATLÉTICO: Victor; Marcos Rocha, Leo Silva, Otamendi e Dátolo (Alex - 24'/2º); Pierre, Josué (Leandro Donizete - 13'/2º), Tardelli, Ronaldinho (Rosinei - 37'/2º); e Fernandinho; Jô . Técnico: Paulo Autuori

JOGADORES DO GALO LAMENTAM PÊNALTI NO FIM DA PARTIDA

 

O pênalti assinalado pelo árbitro Patrício Hernan Loustau no empate em 2 a 2, entre Nacional (PAR) e Atlético, revoltou os jogadores atleticanos. O árbitro assinalou mão na bola do zagueiro Otamendi. Ao término do confronto, Tardelli e Jô comentaram a situação. A dupla acredita que o mediador do confronto cometeu um erro.

– No nosso ponto de vista, o braço estava colado, tanto o braço do Léo (Silva) quanto do Otamendi – disse Tardelli, que também avaliou as condições do Estádio Antonio Aranda Encina e ainda valorizou o empate:

– Libertadores é sempre complicado, gramado pesado. Cansamos pelo ritmo de jogo. Sabemos o que fazer quando enfrentá-los em casa. A gente não soube controlar o jogo com posse de bola. É difícil conduzir a bola neste campo, mas está bom. Pelo menos saímos com um empate.

Autor do segundo gol do Galo na partida, o centroavante Jô endossou o companheiro de setor ofensivo. Ele, porém, valorizou o ponto conquistado fora dos domínios.

– De onde eu estava, não vi pênalti, mas o importante foi pontuar fora de casa. É importante. Queríamos a vitória, mas vamos continuar trabalhando para a próxima quarta-feira – comentou.

 

 

Escrito por marguitte às 09h49
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

Perfil

Histórico